Praça Largo da Paz

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

O Largo da Paz é um espaço livre público pontuado por sua relação direta com a Igreja de Nossa Senhora da Paz, edificada nos idos de 1887. Em 1937, o então prefeito do Recife Pereira Borges, teve a ideia de transformar o Largo em um jardim moderno, na época um dos mais importantes núcleos de subúrbio da cidade do Recife, animado por efervescente vida comercial e social, com lojas, feira pública e cinemas como “Central”, “Capricho”, “São Jorge” e “Pathé”. Trabalhando no Recife nesse período, Burle Marx foi convidado para esta missão. O projeto idealizado pelo paisagista foi um jardim composto exclusivamente por vegetação arbórea distribuída no largo como um bosque mais livre, da periferia para o centro, mantendo uma linha de vegetação na borda e algumas clareiras. Este Largo continua sendo um importante espaço público neste bairro, mantendo a tradição de sua dinâmica comercial já encontrada por Burle Marx nos anos 30.

Localizado em área plana, o Largo da Paz caracteriza-se como lugar de convívio da população e também rotas de deslocamento de pedestres para utilizar o comércio local, bem como frequentar a Igreja de Nossa Senhora da Paz. O traçado atual é definido pela concentração de vegetação nas bordas e menos no interior do espaço, composto por três canteiros redondos com grama e árvores, contornados por bancos onde as pessoas se sentam para conversar, descansar ou mesmo interagir com a paisagem suburbana. Do projeto do paisagista para a situação atual, percebe-se a equivalência destes canteiros às antigas clareiras em meio à vegetação, bem como a manutenção da travessia em todas as direções, permitindo o acesso à dinâmica vida urbana do seu entorno. Neste contexto, ressalta-se a manutenção da posição da frondosa árvore indicada por Burle Marx na quina sul do triângulo, destacando-se como ponto focal do conjunto paisagístico. Destaca-se por fim a manutenção da relação deste Largo com a igreja que ainda hoje é a edificação mais imponente deste espaço público pontuada no Largo com a presença de um cruzeiro.

Flora

A composição florística projetada por Burle Marx para o Largo da Paz é análoga às demais praças por ele projetadas no Recife. Para o Largo o paisagista buscou empregar agrupamento de maciços vegetais, com destaque para: visgueiro, lanterneira e flamboyant. Percebe-se a intenção do paisagista para a compreensão do espaço triangular entre as vias definindo este largo, quando na quina sul, ainda que fora dos limites oficiais do Largo, foi colocada uma árvore completando a figura geométrica do triângulo, hoje incorporada à composição. A relação com a igreja também foi mantida e em seu projeto percebe-se a definição de um cruzeiro imediatamente posicionado em frente a este edifício religioso, marco da arquitetura nessa paisagem.

Estrutura

Cruzeiro e Nicho com imagem da santa Nossa Senhora da Paz; Duas edificações da Compesa (sendo uma, comprovadamente, do engenheiro Saturnino de Brito); e Placa alusiva à inauguração.

Localização

Localização: situado entre a Rua da Paz, a Estrada dos Remédios e a Rua São Miguel, no centro do Bairro de Afogados.

Área: 4.4568 m2

Intervenções: Roberto Burle Marx (1936); reformada pela arquiteta da prefeitura do Recife Maria Inês de Oliveira Mendonça (década 1980).

Entorno

A inserção do Largo da Paz no centro do bairro de Afogados destacando a importância de sua localização como núcleo de centro urbano secundário dinâmico e movimentado, para onde convergem, atravessam ou tangenciam importantes eixos viários em direção ao centro do Recife ao norte, aos bairros de Boa Viagem e Imbiribeira ao sul e inúmeros bairros a oeste, como Jardim São Paulo, Caçote e Estância, fazendo deste largo um importante entroncamento de vias estruturadoras do Recife. No seu entorno estão a Igreja de Nossa Senhora da Paz, o Policlínica Agamenon Magalhães, comércio variado e diversos estabelecimentos bancários.

Todas as praças

Veja também

Praça Dezessete

A Praça Dezessete homenageia os heróis da Revolução Republicana de 1817. A origem de seu