Praça da Várzea ou Pinto Damaso

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

A Praça Pinto Damaso é tradicionalmente conhecida como Praça da Várzea. Burle Marx, em 1936, concebeu o primeiro projeto de ajardinamento da praça, cujo marco norteador foi o cenário do lugar evocado pelas imponentes palmeiras imperiais, existentes no local e que tanto caracterizavam os jardins das casas de engenho. O projeto foi elaborado tendo como foco o playground – primeiro equipamento desse tipo projetado por Burle Marx para as praças. Nos últimos anos, a pedido da própria comunidade, a Praça da Várzea passou a integrar o grupo de Pólos de animação da Prefeitura do Recife, com apresentações de grupos locais e nacionais, a exemplo dos festejos do Carnaval e do São João.

Saiba mais…

Inventário

 

previous arrow
next arrow
Slider

Nos extremos da praça, as ideias também se mantiveram com a colocação de um play-ground ao norte e a criação de um local de encontro como generosa área de estar no extremo sul. Os oitis-da-praia ainda hoje sombreiam trecho da calçada mais larga prevista pelo paisagista, que possibilita maior conforto na travessia e acesso ao espaço público. É provável que o trecho norte onde a Praça foi fracionada para conexão de ruas, tenha sofrido influências do projeto original que definia para este local um desenho que separava o play-ground de uma outra área ajardinada, hoje trecho recortado com área de estar e pequeno comércio.

Flora

O projeto proposto por Burle Marx previa como composição florística espécies como ficus-beijamina, mangueira, oiti-da-praia, carolinas e palmeira-real, substituída por palmeiras-imperiais mantidas até hoje. Estas quatro espécies foram registradas no levantamento florístico realizado em 2011, que também identificou o coração-de-negro, o baobá, o brasileirinho, a cássia-grande, a canela, a aroeira, a chuva-de-ouro, o sombreiro, a sena-siamea, a craibeira, além da palmeira areca e diversas espécies arbustivas, como jasmim-manga, pata-de-vaca, espirradeira, cabaceira e mussaenda.

Estrutura

Postes de iluminação de ferro; Bancos de madeira tipo veneziano; Bancos curvos de concreto sem encosto; Brinquedos em concreto; Quadra poliesportiva; Salão coberto com palco de cimento e espaço de convivência para jogos de mesa; Academia de musculação ao ar livre; Edificação de apoio com sanitários; Parada de ônibus na calçada da Praça com coberta em forma de arcos.

Localização

Localização: Avenidas Afonso Olindense, no Bairro da Várzea, a oeste da cidade do Recife.

Área: 6.647,02 m2

Intervenções: Roberto Burle Marx (entre 1936 e 1937); reformada pelas arquitetas da Prefeitura do Recife Maria do Socorro Mussalém (1973) e Tereza Coelho (1995); requalificada com projeto elaborado pela arquiteta Maria Inês de Oliveira Mendonça (2011).

Entorno

O entorno da praça é marcado por um conjunto de edificações de períodos distintos, entre às quais, sobrados dos séculos passados, cujas fachadas circundantes lhe conferem um caráter bucólico e de excepcional ambiência. A Praça Pinto Damaso no coração do Bairro da Várzea, desde o projeto proposto por Burle Marx à situação atual, tem sido palco das principais atividades de lazer e eventos culturais do bairro, e seu entorno se caracteriza por uma dinâmica vida urbana resultante do comércio local, feiras informais, residências e escolas. Da malha viária destacam-se a Rua Amaro Gomes Poroca que interliga a Praça à Universidade Federal de Pernambuco e a Avenida Afonso Olindense, via de grande fluxo, que tangencia a Praça e conecta o bairro da Várzea ao Bairro da Caxangá. Próximo a Praça encontra-se um Pátio com duas Igrejas e um convento. E ao seu redor três escolas, pequenos pontos comerciais, indicadores da existência de uma antiga área de feira livre, bem como estabelecimentos governamentais, paradas de ônibus, etc., que a transformaram em um espaço de intenso uso, direcionando sua última reforma para a criação de diferentes possibilidades de recreação.

 

Todas as praças

 

Veja também

Praça Dezessete

A Praça Dezessete homenageia os heróis da Revolução Republicana de 1817. A origem de seu